Cientista chinês diz que gêmeos nasceram após embriões terem os genes editados
03/12/2018 23:29 em Tecnologia

A pesquisa, no entanto, não foi publicada em jornais científicos. Alguns cientistas que revisaram os materiais dizem não ser possível afirmar que os genes foram editados. O objetivo era tornar os bebês imunes à infecção por HIV.

 

Um pesquisador chinês diz ter ajudado a criar os primeiros bebês geneticamente editados do mundo. São meninas gêmeas – Lulu e Nana – nascidas neste mês, cujo DNA ele afirma ter alterado com uma nova ferramenta capaz de reescrever o projeto da vida. A descoberta foi revelada à agência de notícias americana Associated Press (AP) com exclusividade.

Se for verdade, seria um profundo salto de ciência e ética.

O pesquisador, He Jiankui, de Shenzhen, disse que alterou os embriões para sete casais durante os tratamentos de fertilidade, com uma gravidez resultante até agora. Ele disse que seu objetivo não é curar ou prevenir uma doença hereditária, mas tentar dar uma característica que poucas pessoas têm naturalmente – uma capacidade de resistir a uma possível infecção futura pelo HIV, o vírus da Aids.

Ele disse que os pais envolvidos não quiseram ser identificados ou entrevistados, e não disse onde eles moram ou onde o trabalho foi feito. Segundo a AP, o cientista é especialista em física e não tem experiência com experimentos humanos.

Não há confirmação independente da reivindicação de He, e ela não foi publicada em um periódico, onde seria examinada por outros especialistas. Ele fez a revelação nesta segunda-feira (26) em Hong Kong a um dos organizadores de uma conferência internacional sobre edição de genes que deve começar na terça-feira e, mais cedo, em entrevistas exclusivas com a Associated Press.

"Sinto uma forte responsabilidade de não apenas fazer uma primeira [pesquisa], mas também torná-la um exemplo. A sociedade decidirá o que fazer a seguir", disse ele à AP, em termos de permitir ou proibir essa ciência.

Alguns cientistas ficaram espantados ao ouvir a afirmação e condenaram-na com veemência. Muitos consideram que é muito perigoso tentar, e alguns denunciaram o relatório chinês como experimentação humana.

É "inconcebível... um experimento em seres humanos que não é moralmente ou eticamente defensável", disse o Dr. Kiran Musunuru, especialista em edição de genes da Universidade da Pensilvânia e editor de uma revista de genética.

"Isso é prematuro demais", disse o Dr. Eric Topol, diretor do Scripps Research Translational Institute, na Califórnia. "Estamos lidando com as instruções de operação de um ser humano. É um grande negócio".

Nos últimos anos, cientistas descobriram uma maneira relativamente fácil de editar genes, os fios de DNA que governam o corpo. A ferramenta, chamada CRISPR-cas9, torna possível operar no DNA para fornecer um gene necessário ou desativar um que esteja causando problemas.

Só recentemente foi tentado em adultos para tratar doenças fatais, e as mudanças estão confinadas a essa pessoa. A edição de espermatozóides, óvulos ou embriões é diferente – as alterações podem ser herdadas. Nos EUA, não é permitido, exceto para pesquisas de laboratório. A China proíbe a clonagem humana, mas não especificamente a edição de genes.

Já George Church, geneticista da Universidade de Harvard, defendeu a edição de genes para o HIV, que ele chamou de "uma grande e crescente ameaça à saúde pública".

"Acho que isso é justificável", disse Church sobre esse objetivo.

 

Participação americana

 

Já o cientista americano Michael Deem, ex-orientador de He na Universidade Rice, em Houston, afirma ter participado do trabalho na China. Esse tipo de edição genética é proibido nos Estados Unidos, porque as mudanças no DNA podem passar para as futuras gerações e prejudicar outros genes. Deem detém o que chamou de "uma pequena participação" e está nos conselhos consultivos científicos de duas das empresas de He.

O pesquisador chinês estudou nas universidades Rice e Stanford nos EUA antes de retornar à sua terra natal para abrir um laboratório na Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul da China, em Shenzhen, onde ele também tem duas empresas de genética. Ele afirmou que praticava a modificação genética de ratos, macacos e embriões humanos no laboratório há vários anos e solicitou patentes sobre seus métodos.

He disse que escolheu a edição genética de embriões para o HIV porque essas infecções são um grande problema na China. Ele tentou desativar um gene chamado CCR5, que forma uma porta protéica que permite que o HIV, o vírus que causa a Aids, entre em uma célula.

No projeto, todos os homens tinham HIV, enquanto nenhuma das mulheres tinha sido infectada pelo vírus. Os pais tiveram suas infecções profundamente suprimidas por medicamentos contra o HIV. A edição genética não visava, no entanto, a evitar o pequeno risco de transmissão, de acordo com o cientista, pois existem maneiras simples de evitar que os pais infectem os filhos, sem envolver a alteração de genes.

Em vez disso, o apelo era oferecer aos casais afetados pelo HIV a chance de ter um filho que pudesse ser protegido de um destino semelhante.

Ele recrutou casais através de um grupo de defesa da AIDS baseado em Pequim chamado Baihualin. Seu líder, conhecido pelo pseudônimo "Bai Hua", disse à AP que não é incomum que pessoas com HIV percam empregos ou tenham problemas para obter assistência médica se as infecções forem reveladas.

 

O experimento

 

He descreveu o trabalho da seguinte forma:

A edição genética ocorreu durante a fertilização in vitro, ou fertilização em laboratório. Primeiro, o esperma foi "lavado" para separá-lo do sêmen, o fluido onde o HIV pode se esconder. Um único espermatozóide foi colocado em um único ovo para criar um embrião. Então, a ferramenta de edição genética foi adicionada.

Quando os embriões tinham três a cinco dias de idade, algumas células foram removidas e verificadas para edição.

Os casais puderam optar por usar embriões editados ou não para tentativas de gravidez. Ao todo, 16 dos 22 embriões foram editados, e 11 embriões foram usados ​​em seis tentativas de implante antes que a gravidez de gêmeos fosse alcançada, segundo He.

fonte: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2018/11/26/cientista-chines-alega-ter-criado-primeiros-bebes-geneticamente-editados.ghtml

 

 
COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE